Todo dentista já atendeu pessoas que demonstravam medo na hora da consulta, seja antes de entrar na sala ou mesmo no momento da realização de algum procedimento já sente aquele arrepio.

Não é raro ver muitos adultos e crianças com medo de dentista ao chegar em um consultório. Algumas apresentam reações leves e outras realmente demonstram um medo que vai além do normal.

Muito desse medo de dentista vem de um background que pode envolver eventos traumáticos relacionados a dentistas e consultórios, seja por algum procedimento mal sucedido ou trauma causado pelo barulho ou dor que foi sentida durante a realização de um procedimento odontológico.

Outro fator que pode ser um dos causadores, são as histórias contadas por pessoas mais velhas sobre eventos vividos em épocas do passado em que a odontologia ainda estava em processo de evolução.

Muitas das técnicas, materiais e ferramentas utilizadas eram outras, onde muitas vezes os procedimentos eram realizados sem anestesia ou com alguma técnica que não envolvia à preocupação de ser indolor para o paciente.

É por isso que acalmar pacientes que apresentam medo de dentista é uma das coisas que todos os dentistas precisam saber para amenizar tais medos.

Isso é algo que pode causar sérios problemas para a saúde bucal dos pacientes, porque muitos acabam deixando de ir ao dentista e de revisar os dentes de forma regular. Seguiremos abaixo com algumas dicas de como acalmar o paciente:

Seguiremos abaixo com algumas dicas de como acalmar o paciente.

Odontofobia: medo de dentista 

O medo de dentista em um nível normal, ainda não é um problema tão grande. A partir do momento em que entra em um nível muito elevado, é onde devem começar as preocupações e a atenção, pois pode ser sinal de odontofobia.

A odontofobia é caracterizada pelo medo de dentista em grau mais elevado em relação ao ambiente, procedimentos e ferramentas odontológicas.

De acordo com informações divulgadas pela OMS, cerca de 15% de toda a população mundial sofre com esse transtorno, que pode vir a afetar a saúde bucal, já que muitos dos pacientes afetados acabam deixando de ir ao dentista e de revisar os dentes de forma regular.

Esse cenário mostra porque acalmar pacientes que apresentam condições de medo de dentista é uma das coisas que todos os dentistas precisam saber.

Lembrando que não é todo medo de dentista que deve ser classificado como odontofobia. Cabe aqui uma avaliação mais profunda com um profissional da área psicológica. As dicas que daremos aqui são apenas para auxiliar no processo de acalmar o paciente, mostrando e desmistificando procedimentos.

Veja abaixo algumas dicas para deixar o paciente mais confortável:

Faça um pré atendimento 

A sala de espera muitas vezes se torna o epicentro da tensão e ansiedade para o paciente, sendo um momento crucial para abordar com sensibilidade.

Os barulhos, a atmosfera do ambiente e a consciência de que em breve será sua vez de passar pelo procedimento podem aumentar significativamente o nervosismo. Por isso, é fundamental adotar estratégias para tornar esse momento mais confortável e acolhedor.

Visitar o paciente na sala de espera, estabelecer um diálogo amigável e criar um ambiente descontraído são passos essenciais para ajudar a dissipar a tensão.

Recursos como uma televisão ligada, uma decoração aconchegante, cores reconfortantes e controle da temperatura para garantir o conforto são elementos-chave para criar uma atmosfera propícia à tranquilidade.

Investir nesses detalhes pode fazer uma grande diferença na experiência do paciente, ajudando a reduzir sua ansiedade e preparando-o de forma mais positiva.

Crie uma boa relação com o paciente  

Ao abordar o paciente, é essencial adotar uma postura paciente e empática. Demonstrar compreensão sem recorrer a brincadeiras ou piadas relacionadas ao seu medo de dentista é fundamental. Concentre-se em explicar de forma simples e acessível o procedimento que será realizado e como ele será conduzido, com o objetivo de tranquilizá-lo e dissipar qualquer apreensão.

Observar atentamente as reações do paciente é crucial. Preste atenção aos gestos, ao tom de voz e aos sinais de ansiedade que ele possa apresentar. Essas pistas podem oferecer insights valiosos sobre o seu estado emocional e ajudá-lo a antecipar se o atendimento transcorrerá de forma tranquila ou se podem surgir comportamentos adversos.

Criar um ambiente de confiança e segurança é fundamental para minimizar o medo de dentista e a ansiedade do paciente. Certifique-se de que ele se sinta confortável e informado em cada etapa do processo, encorajando-o a expressar quaisquer preocupações ou dúvidas que possa ter.

Essa abordagem colaborativa e sensível não apenas contribui para uma experiência mais positiva para o paciente, mas também fortalece a relação terapêutica entre o profissional de saúde e o indivíduo atendido.

Conclusão

Certamente, o medo de dentista é uma realidade para muitas pessoas e, em alguns casos, pode até se tornar uma fobia. É possível adotar abordagens eficazes para criar uma atmosfera calma e confortável, ajudando o paciente a se sentir mais à vontade durante o tratamento.

Como profissional, você desempenha um papel fundamental não apenas na execução do seu trabalho, mas também em garantir que o paciente tenha uma experiência positiva.

Criar um ambiente acolhedor e tranquilo no consultório, oferecer explicações claras sobre os procedimentos a serem realizados e garantir que o paciente se sinta ouvido e respeitado são medidas essenciais para reduzir o medo de dentista e a ansiedade associados às visitas ao dentista.

Ao adotar essas práticas, você contribui para a construção de uma relação de confiança e conforto com seus pacientes. 

Você pode gostar também