Todo mundo já passou, ou ainda passará (no caso de crianças e adolescentes), pelo momento em que os dentes siso começarão a se movimentar e, por vezes, causar incômodo, dor e comumente um desalinhamento da arcada dentária, com uma movimentação indevida, que muitas vezes pode acabar atrapalhando tratamentos ortodônticos feitos posteriormente. 

O que ocorre é que esses dentes siso normalmente estão inclusos (sem aparecer na arcada) e virados, ocupando uma posição difícil, que, em casos mais graves, pode acabar afetando o dente que está na frente, acarretando uma reabsorção radicular – uma lesão que acaba por encurtar a raiz do dente, acarretando perda de volume. 

Mas calma, isso não acontece com todo mundo, tá? Em algumas pessoas os dentes siso nascem em sua posição correta, descartando a necessidade de extração ou possibilidade de alguma complicação mais séria ou os dentes até mesmo nem nascem. Cada caso é um caso. 

O que são os terceiros molares (dentes siso)? 

Os terceiros molares – conhecidos popularmente como dentes siso – são os últimos molares e também últimos dentes a nascerem na arcada, com a sua erupção ocorrendo, geralmente, por volta dos 15 aos 20 anos, variando de pessoa para pessoa. 

Os primeiros sinais da erupção dos dentes siso é o desconforto causado pela movimentação, que vem acompanhada de vermelhidão na gengiva que cobre o dente, podendo, em casos mais graves, vir acompanhado da pericoronarite, que caracteriza a inflamação dos tecidos moles que envolvem o dente, contando com a presença de inchaço e pus nesse local, em alguns casos.

Dentes siso

Por que os dentes siso  ainda existem?

Muito se fala sobre a origem desses dentes. Tem o conhecimento de que nossos antepassados, lá da pré história, necessitavam deles para conseguir mastigar materiais mais sólidos e que necessitavam de maior força para o consumo, como pele de animal, ossos, carne crua e outros mais rígidos. 

Com o passar dos anos e a evolução natural do ser humano, esse dente começou a perder a utilidade, o que justifica essa perda de espaço na arcada dentária humana.

Há um pensamento de que eles tendem a sumir nas novas gerações, por conta dessa mutação evolutiva do homem moderno e já não serem mais necessários para o dia a dia. É necessário ter em mente que isso ainda é algo que não possui comprovação científica, portanto tratemos apenas como uma hipótese. Veremos como será no futuro. 

Leia também: Medo de dentista: saiba como tranquilizar seu paciente

Qual a utilidade dos dentes siso? 

Primeiro é preciso entender que a dentição e a boca, de um modo geral, fazem parte do sistema digestivo com a função de umedecer e triturar o alimento para que seja possível o corpo realizar todo o processo de digestão de tudo o que é ingerido nas refeições.

Quando há espaço para erupcionar e se encaixarem perfeitamente na mandíbula, sem causar problemas, os sisos exercem a mesma função dos demais molares, que é a de triturar e moer, correspondendo ao último processo pelo qual os alimentos passam antes de serem engolidos e seguirem para o estômago.

Como é a cirurgia de extração dos dentes siso?

Inicialmente é feita uma consulta para avaliação visual dos dentes, como estão, se há inflamação, a posição em que se encontram e outros quesitos são avaliados pelo dentista. 

Para ver de uma maneira mais completa a posição em que o terceiro molar se encontra, o formato do dente e tamanho é solicitada uma radiografia panorâmica para auxiliar no planejamento da cirurgia e qual a melhor técnica para removê-lo.

Após isso, há casos mais extremos, como a proximidade do dente com o nervo em que é solicitada uma tomografia para auxiliar no planejamento da cirurgia e evitar que possíveis problemas ocorram. 

Na hora da cirurgia é aplicada uma anestesia local. Ela é aplicada nos lados de dentro e de fora da gengiva e no canto do céu da boca próximo ao dente, no caso dos dentes superiores. Nos inferiores é aplicada no nervo lingual ao fundo da boca.

Se o dente estiver incluso, é necessário fazer o desgaste do osso que o recobre, para que seja possível vê-lo e manusear as ferramentas. Se o dente já estiver visível, é usado o cortante (algo parecido com um bisturi) com o qual é feita uma incisão na gengiva dente ao dente. 

Há casos em que o dente pode ser removido inteiro e outros em que é necessário cortá-lo em pedaços com o auxílio de uma broca específica. 

Ao encontrar o ponto de contato entre dente e o osso, onde seja possível encaixar as alavancas, o dentista começa a fazer movimentos com a intenção de amolecer e suspender o siso. O fórceps é usado para agarrar a coroa do dente e removê-lo, ou os pedaços do mesmo. Ao final são dados de dois a quatro pontos no local. 

No caso da proximidade com o nervo, o paciente sempre deve ser advertido que há risco de parestesia temporária ou não, que é a perda da sensibilidade do lábio inferior e da região do queixo. Realmente é algo que assusta mas pode acontecer, mesmo sendo algo raro. 

Leia também: Marketing Odontológico: faça sua clínica ser vista em 4 passos

Conclusão sobre dentes siso

Vimos que na maioria dos casos os dentes sisos precisam ser removidos por crescerem em posições desfavoráveis e acabar desalinhando a mordida. Mesmo assim, a remoção depende de como eles estão, portanto é importante procurar o dentista e ver com ele qual o melhor a se fazer no seu caso. 

Há quem diga que no futuro o siso deixará de existir nas novas gerações, mas ainda é algo que não foi comprovado cientificamente.

A cirurgia, quando necessária, é bem rápida e as complicações são raras. Claro que é indicado a realização do procedimento com um bom profissional que possui boas indicações e que sabe muito bem o que está fazendo. 

Você pode gostar também