Todo profissional da odontologia, assim como os pacientes, já estiveram em contato com as radiografia dentária, que são bem presentes no dia a dia de clínicas odontológicas. Seja para a colocação de aparelho ortodôntico, alinhadores, remoção de algum dente, tratamentos ou qualquer outro procedimento que necessite uma análise mais aprofundada da dentição, a radiografia dentária (chamadas “panorâmicas”) está presente.

Normalmente ela é solicitada pelo profissional, sendo feita por um local especializado, que dispõe dos equipamentos necessários para a realização dessa radiografia. 

Realizada comumente com uma máquina onde o paciente coloca um colete, fica em pé em frente, posiciona o queixo em um suporte, morde um acessório que fica entre os dentes e por fim um braço eletrônico percorre toda a área da cabeça do paciente captando as imagens em 2D — já existem aparelhos que oferecem imagens em 3D, para casos onde é necessário ter uma radiografia dentária com imagens mais detalhadas. 

Atualmente o exame é feito com muito mais frequência do que já foi no passado, seja pelo custo que antigamente possuía e pela necessidade que as pessoas têm hoje de cuidar do sorriso e da saúde bucal, mais do que no passado. Hoje em dia as novas gerações perceberam que a saúde da boca é tão importante quanto a física e a mental, e estão dispostas a procurarem e pagar por tratamentos e cuidados.

Para que serve a radiografia?

Em situações onde um dentista pede uma radiografia dentária é porque ele precisa analisar como estão as estruturas internas da boca e dentição, para poder ver possíveis danos internos que causam os problemas externos que podem ser vistos clinicamente.

Quando o profissional é procurado, seja por alguma dor, para remoção de dentes, em todo caso deve começar pela avaliação visual dos dentes para ver a presença de tártaro, cáries e mordida, para que se tenha uma primeira visão, porém, essa é uma análise externa. A radiografia dentária serve para analisar as estruturas ósseas que compõem o dente, a raiz e todos os aspectos que podem influenciar na saúde bucal.

Outra coisa que também faz com que o dentista peça radiografia é para realizar o acompanhamento de algum tratamento dentário que tenha sido feito, principalmente em casos de cirurgias e extrações de dentes, para ver como está a recuperação e ver se está tudo bem ou se há alguma complicação que possa causar algum problema mais serio. 

Como as imagens são captadas na radiografia dentária?

A radiografia utiliza raios-X. Durante o procedimento, um feixe heterogêneo de raios-X é produzido por um gerador e projetado sobre um objeto, a parte do corpo a ser examinada, que no caso da radiografia dentária é toda a parte da boca, mandíbula e maxilar. A densidade e a composição de cada área determinam a quantidade de raios-X absorvida.

Os raios-X que atravessam são capturados atrás do objeto por um detector, seja ele um filme fotográfico ou detector digital. Após esse processo é produzida uma representação em duas dimensões de todas as estruturas superpostas durante a captura.

A tecnologia dos raios-X — que surgiram em 1895 com a descoberta experimental dos deles pelo físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen, com a primeira radiografia foi realizada em 22 de dezembro de 1895 — permite que os médicos vejam através dos tecidos humanos e que possam examinar mais detalhadamente, e com grande facilidade, ossos quebrados, cavidades, além de tornar possível o diagnóstico de várias doenças. 

Os aparelhos de captura estão cada vez mais modernos e, com o desenvolvimento da radiologia digital, o método vem se aperfeiçoando e a dose de radiação recebida pelo paciente é reduzida. Além disso, as imagens são manipuladas em estações de trabalho computadorizadas, o que lhes garante uma melhor qualidade.

Quais os tipos de radiografia dentária existentes?

  • Radiografia periapical: fornece detalhes de um dente ou uma região, porém, capta as imagens que vão desde a parte superior do dente até o osso, e serve para diagnosticar cáries e lesões próximo do topo do dente.
  • Radiografia interproximal: é possível obter uma visualização das arcadas inferior e superior, sendo indicada para avaliar como os dentes estão se tocando durante a mordida, além de evidenciar a presença de cáries.
  • Radiografia panorâmica: é indicada para obter uma imagem completa, pois inclui dente, mandíbula, área nasal, seios nasais, articulações da mandíbula além da estrutura de todos os dentes.
  • Radiografia oclusal: que facilita a visualização do assoalho da boca e serve para identificar dentes que antes estão inclusos ou a presença de dente supranumerário na arcada de um paciente.

A exposição às radiações é perigosa como dizem?

Sim, as radiações emitidas na radiografia dentária são prejudiciais. Vamos te explicar o porquê e ajudar a entender melhor as situações, os mitos e o que fazer para reduzir esses riscos. 

Os raios-X podem causar mutações no nosso DNA e podem levar ao câncer mais tarde na vida, devido a alterações celulares e outras questões que tornam o organismo mais propenso a desenvolver doenças, como o câncer, mais tarde.

Claro, para isso acontecer é preciso que haja uma exposição constante e frequente a tais raios. Sendo assim, os pacientes estão menos suscetíveis a esses problemas do que os profissionais de radiologia que são constantemente expostos a essa radiação. 

Por essa razão, eles são classificados como carcinógenos tanto pela Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto pelo governo dos países. Isso não quer dizer de modo algum que a pessoa desenvolverá doenças ou terá problemas, certo? Essas são possíveis consequências que podem afetar ao longo da vida, a depender de inúmeros fatores. 

Quais cuidados deve-se tomar na radiografia dentária?

Durante o exame é muito importante usar equipamentos de proteção como o avental de chumbo, também conhecido como avental plumbífero, 

Também é importante escolher uma clínica que possua uma equipe bem treinada e utilize aparelhos com menor emissão de radiação.  Peça indicação de amigos e familiares que já realizaram o exame anteriormente.

Também é importante verificar se os equipamentos utilizados para a radiografia dentária atendem as exigências dos órgãos regulamentares, assim como do ministério da saúde. 

Hoje em dia existe radiografia digital, que emite doses mais baixas de radiação e a imagem se dá de maneira mais fácil e rápida. Esse tipo de exame ainda tem como vantagem maior capacidade de ajustes e melhoramentos nas imagens e mais facilidade em seu armazenamento e transmissão para o dentista.

Conclusão sobre radiografia dentárias

A radiografia dentária existe há bastante tempo e é inegável os benefícios que elas trouxeram para a odontologia e medicina de forma geral. Permitiu que analises mais completas fossem feitas sem a necessidade de precisar realizar procedimentos cirúrgicos para averiguação. 

Outro ponto importante é que elas permitem que se tenha um visão bem ampla de toda a boca, possibilitando a visualização dos nervos da face, dentes, nervos, cavidades, mostre objetivos e qualquer corpo estranho que possa estar instalado, ver inflamações, infecções e muito mais. São muitas as possibilidades de análise. 

Não é preciso gerar alarde nem preocupação exagerada, já que a dose de radiação envolvida geralmente é bem pequena. O que falamos aqui é mais para auxiliar em uma prevenção para a exposição constante, no caso dos profissionais.

Você pode gostar também